“Mistério tem Solução S.A.”

Quem acompanha o blog desde o comecinho ou teve curiosidade e foi ler as primeiras postagens, sabe que eu curto mistérios, história em quadrinhos, sabe que meu herói preferido é o grande detetive Batman e minha imaginação é bem fértil.

Felipe e eu, há uns 4 anos atrás, acreditando que viveríamos várias aventuras e enfrentaríamos gênios do crime, chegamos a fundar um escritório de detetives para investigar os mistérios do colégio e da vizinhança. Acabou não dando muito certo, já que o máximo que investigamos foi o sumiço da dentadura da avó dele, o desaparecimento do coelhinho de pelúcia da Carol e a morte do “Ratatui”, o hamster de estimação do Carlos. Como em nenhum destes episódios houve o envolvimento de uma mente criminosa sagaz e articuladora (a que conheço tinha apenas 5 anos na época e ainda não estava em ação) a coisa acabou ficando um pouco sem graça e o escritório de Detetives “Mistério tem Solução S.A.” foi fechado.

Tá, preciso confessar que também tivemos um desentendimento em um ponto crucial: quem seria o detetive-chefe. Quem seria o Sherlock e o Watson; o Batman e o Robin; o 007 e a secretária dele. A coisa toda ficou tensa. Com a nossa pouca idade não soubemos coordenar o cérebro e raciocínio lógico do Felipe com a minha coragem, lealdade e faro investigativo, para nos transformarmos em um poderoso e imbatível investigador. Porém, nunca deixamos de nos atrair pelos misteriosos casos que apareciam de vez em quando nos jornais, de ler um livro de suspense e tentar acertar o assassino no final, de resolver charadas, e com isso, surgiu o caso do “entregador de pizza”.

A Serra dos Ipês é uma cidade vizinha à minha, onde acontecimentos estranhos ocorriam. Crianças desapareciam sem deixar pistas ou sinais….tá, não foi bem assim, estou fantasiando um pouco, assisti IT recentemente e após algumas noites de pesadelos e de sair gritando de uma famosa rede de lanchonetes que tem um palhaço como mascote, percebi que o filme tinha me pegado em cheio. Voltando ao fato… Uma só criança desapareceu sem deixar pistas.

Distribuíram cartazes também nas cidades vizinhas e foi assim que nós soubemos do caso. À princípio, as mães ficaram preocupadas e chegaram a revezar para nos levar e buscar na escola, já que o menino de 12 anos tinha sumido enquanto ia para a aula (preciso confessar que eu torci para que houvesse uma dobra no tempo que também me fizesse sumir quando fosse para o colégio e aparecer de volta na saída, assim, eu pularia as fases chatas da vida, mas como sonho não se realiza fácil, isso até hoje não aconteceu) e com o passar dos dias tudo voltou à rotina normal.

Após quatro anos, o cartaz foi atualizado com um programa que envelhece as pessoas pelo computador. Aquilo nos encucava. Como pode alguém simplesmente desaparecer?? Deixar a vida para trás?

Até que um dia, minha mãe pediu uma pizza de calabresa e ficou para mim a tarefa de atender o entregador, receber a pizza e pagar a conta. – Vou abrir um espaço aqui para mais um desabafo: mano, quem inventou essa história de que o irmão mais velho é quem faz tudo na casa?! A Pestinha não faz nada! Só respira! 😡 – a campainha tocou várias vezes. O entregador estava com pressa, pois era dia daquela promoção de que se a pizza não é entregue em até 30 minutos, ela sai de graça. Eu, pessoa incorruptível, me apressei para atender e corri até o portão, mas tenho certeza de que se fosse vocês sabem quem, ela teria andado bem devagar e embolsado o dinheiro para gastar em bala no colégio ou com o livro dos irmãos mais famosos da internet.

Quando cheguei ao portão quase caí para trás! O entregador era igualzinho ao menino do cartaz! Comecei a fazer um monte de perguntas e ele não respondeu nenhuma. Tinha que correr com as outras entregas.

Empolgado com a minha descoberta, fui logo contar ao Felipe.

– Tem certeza, Max?

– Claro! Absoluta – confirmei.

– Só fico bolado com uma coisa: por que o menino desaparecido em Serra dos Ipês viraria entregador de pizza aqui? Preciso colocar a minha massa cinzenta para trabalhar!

– Cara, quem não gostaria de não precisar mais assistir às aulas de matemática e história e trabalhar entregando pizzas? Imagine quantas pizzas a pessoa pode comer – falei babando.

– Apesar de curtir pizza, isso não me parece um motivo suficiente. Faz o seguinte: antes de você sair contando para todo o mundo o que acha que descobriu, precisamos confirmar. Vamos pedir uma outra entrega e aí você fotografa ele.

– Euuuuu????

– É, ué! Você é a força e ação e eu o cérebro!

Meio indignado porque também sou um ser pensante, topei a tarefa. Aguardei o dia da promoção. Deixei o celular a postos e botei pilha no meu pai para pedir uma pizza. Com 28 minutos e 30 segundos o rapaz chegou. Corri até o portão, recebi a pizza, mas não consegui concluir a tarefa… Era impossível tirar uma foto naquela distância sem que o investigado percebesse. Porém, não me dei por vencido! A convicção de que eu havia desvendado o mistério gritava na minha cabeça. Resolvi mandar uma carta com a minha descoberta para o endereço do cartaz.

O orgulho me deixou pisando em nuvens. Me senti o cara!

Alguns dias depois, quando cheguei em casa vindo da aula de inglês, encontrei minha mãe, meu pai, tia Mirna e Felipe sentados à mesa. Todos me encaravam com um ar de reprovação. Sabe aquela hora em que você se dá conta de que ferrou tudo? 😬😬

Foi uma DR daquelas!

A carta que eu mandei gerou uma reportagem no jornal local sobre brincadeiras de mau gosto, especialmente com assuntos sérios. Para piorar, o remetente foi no nome do Felipe. 😬😬😬

Fiquei de castigo e aprendi várias lições importantes, entre elas, não se passar por outra pessoa mesmo que seja na melhor das intenções (nunca mais!). Mas ainda acho que o entregador de pizzas é o menino desaparecido que não quer ser descoberto, porque viver de pizza deve ser muuuiiito bom.

PS.1: tirinha do tirinhasdorex.com e da Dona Anésia.

PS.2: Infelizmente, o mundo não é só um lugar de pessoas boas. Por isso, nunca aceitem nada de estranhos e não deem papo se alguém que não conhecem se aproximar.

9 comentários sobre ““Mistério tem Solução S.A.”

  1. Ótimo texto! Alguns casos infelizmente ficam sem solução… Quando eu e minhas amigas estávamos no colégio certa vez encontramos uma carta rasgada em muitos pedaços. Conseguimos montar o quebra-cabeça. Era uma carta de amor. Mas nunca desvendamos os protagonistas da história e qual o desfecho do romance.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s