Meu primeiro concurso culinário

Eu hoje participei de uma coisa diferente, algo que eu nunca pensei em fazer dado o meu talento para cozinhar.

Eu esqueci de contar para vocês, mas antes do Carnaval, o Felipe veio me pedir que participasse de um concurso de culinária com ele. Seria um apoio moral. Sabe quando você quer muito participar de algo importante mas precisa de alguém só para te acompanhar e dar uma força? Pois então, a situação era essa e eu prometi que o ajudaria.

O concurso Super Chef Aroeirinha aconteceu hoje cedo. A padaria do Seu Françoi (não sei se escrevi o nome certo porque ele se diz francês, mas eu acho que é tipo dele, pois, me disseram que ele veio lá da Paraíba) patrocinou o evento. Quem ganhasse receberia um vale doce de um mês, o título de Super Chef e um troféu que parecia mais uma peça retirada do ferro velho.

Éramos cinco candidatos. Felipe; a dona Jurema, que faz as coxinhas vendidas na cantina da escola; o seu Raimundo, conhecido por seus churrascos; a Melissa, uma adolescente metida que se acha só porque quase participou do programa Mestrechef Junior e, eu, aquele que enlouquece a professora Bernadete nas aulas de culinária.

Os jurados foram mantidos em segredo até o início do concurso para evitar que sofressem algum tipo de influência. Assim, só soubemos que o júri era formado pelo próprio patrocinador e francês de araque, Françoi; pela Primeira Dama da cidade, dona Letícia que é boa de boca; e pela Chica por ter sido a Rainha do Carnaval 2018, quando chegamos na praça e vimos os três sentados atrás de uma bancada em cima de um pequeno palco.

O Felipe estava uma pilha. Já eu, nem um pouco nervoso, pois cozinho mal mesmo. Meu objetivo era somente conseguir entregar o prato no tempo marcado.

Tínhamos uma hora para fazer um doce e os ingredientes fornecidos eram os mesmos para todos os participantes. A receita era livre, mas teria que levar ovos e chocolate obrigatoriamente. Fora isso, podia-se usar leite, farinha, fermento e açúcar. Cada um de nós tinha a sua própria mesa de trabalho.

Bom, tocaram o sinal indicando que o tempo estava começando e eu decidi não complicar. Eu usaria só os ingredientes obrigatórios, ovos e chocolate, e faria um mousse. Confesso que eu nunca tinha feito um, mas já tinha visto a minha mãe fazendo e ela basicamente usou as mesmas coisas. Então agarrei meia dúzia de ovos e comecei a tentar quebrar um a um em uma vasilha. Gente, eu não sabia que quebrar ovo era tão difícil! Você precisa ser delicado para não deixar pedaços da casca cair dentro, e gastei uns três ovos esmagando tudo. Precisei repor meu estoque. A dificuldade de quebrar os ovos somada à torcida barulhenta da Melissa me fez começar a ficar nervoso e suar nas mãos. Para quê alguém leva quinze pessoas com faixa e apito para uma prova dessas? Se ainda fosse a final das Olimpíadas, eu entenderia.

Depois de 25 minutos tentando quebrar perfeitamente os ovos, foi que consegui passar para a etapa seguinte. Comecei a bater com um garfo a gema e a clara até que se formou uma sopa fedorenta e amarela. Eu sabia que o chocolate precisava ser derretido, mas como eu havia me esquecido da técnica “banho na Maria”, acabei criando uma própria: joguei o caldo amarelo em uma panela e pedaços de chocolate dentro, para que derretessem no líquido. Acendi o fogareiro e comecei a mexer sem parar. Quando os pedacinhos de chocolate começaram a derreter, a mistura começou a encorpar e formar uma papa amarronzada. Retirei do fogo para não queimar e coloquei em três taças, decorando com raspas de chocolate. No fundo eu sabia que alguma coisa tinha dado errado porque o mousse que já comi era leve e tinha pequenas bolhinhas, mas decidi servir assim mesmo.

Terminado o tempo todos os candidatos apresentaram suas receitas. Felipe foi o primeiro a levar a sua até o júri. Seu pavê (com biscoitos feitos na hora) foi muito elogiado. Depois a Melissa apresentou cookies, a dona Jurema apresentou coxinhas de chocolate (eu não sabia nem que isso era possível), e o seu Raimundo fez um bolo. Aí, foi a minha vez. Cada jurado recebeu uma taça do meu mousse. Meu nome e o meu prato foram anunciados enquanto os três levavam suas colheres à boca. Eu estava ansioso para saber a opinião deles, até que o francês de araque cuspiu longe o meu mousse e a glutona da dona Letícia começou a regurgitar. Ela ainda colocou a mão para tapar a boca mas não adiantou. Uma chuva de chocolate voou estômago afora e respingou no público sentado na primeira fileira.

Caramba, que vergonha! Eu não sabia onde enfiar a minha cara. Todo mundo se levantou e correu para se afastar do palco. E eu lá, parado, chocado com a cena.

Só a Chica tinha comido a taça inteira.

O apresentador do concurso, dono do mercado, perguntou para o Françoi e para a Chica o que eles tinham achado. A Dona Letícia já tinha respondido, né? 😬😬

Horrível! Um ovo mexido doce! Cruzes!! – respondeu o patrocinador.

– E você Lady Di’ Chica, vimos que comeu tudo, qual a sua opinião quanto a esse prato polêmico?

Cantando, ela respondeu:

-“Tô querendo mais, (mais, mais) , tô querendo mais, tô querendo mais, e o jeito certo é só você quem faz”.

Pelos vistos, a Chica curtiu.

P.S. 1: Tirinha das Crônicas de Wesley

P.S.2: Felipe ganhou!!! 🤗🤗

P.S.3: Tenho um vídeo no Instagram muito parecido com a tirinha.

P.S.4: Se o Toninho Uau fosse jurado ele teria dito assim:

Ó gênio culinário incompreendido, essa mistura brasileiríssima eleva a criatividade e agita as papilas gustativas. Não desista do seu sonho!

11 comentários sobre “Meu primeiro concurso culinário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s